sexta-feira, 30 de abril de 2010

Solte sua imaginação!!

A vitória de Jadson André no WT em Santa Catarina, fez reacender (pelo menos em mim) a esperança de imaginar um futuro diferente. Ver que mudanças são realmente possíveis e tudo só depende de nós.
Apesar de iniciar este post falando do campeonato que já acabou, o foco não é competição. E sim, sonhos!! Isso mesmo, sonhos...
E por que não transformá-los em realidade? Falando especificamente em surf, poderia ser aquela viagem planejada há anos e que nunca saiu do papel, poderia ser também aquela piscina de ondas em localidades afastadas do litoral (tema já abordado no blog anteriormente), ou mesmo fundos artificiais, assunto também discutido inúmeras vezes, e que poderiam criar ondas sensacionais na "porta de casa"...
Falando específicamente em fundos artificiais, sabemos que existem teses defendidas por muitos surfistas "sonhadores"... Tem o pessoal que defende a construção de um "falso reef" em Copacabana - RJ, há aqueles que têm certeza que o local ideal seria Caraguatatuba - SP, e assim poderíamos ficar aqui citando inúmeros outros exemplos de praias, que passariam ao status de capital do surf brasileiro com tal investimento.
O fato é que sonhar é importante. Mas, trabalhar para realizar os sonhos é muito mais! Voltando um pouquinho ao herói brasileiro de ontem (Jadson), nada do que aconteceu seria possível, sem muito esforço e dedicação de um grande grupo de pessoas, que acreditaram em tal realização.
Bom, para ilustrar tudo que disse acima, segue um exemplo no mínimo sensacional, sobre a união de forças com um objetivo concreto, que uniu a necessidade social de uma cidade, que estava fadada a desaparecer com a erosão causada pelo mar, grupos de ecologistas, cientistas-surfistas e investidores públicos e privados que buscando o bem comum, acabaram criando mais uma alternativa para nosso querido esporte.
Como vocês podem ver abaixo, exemplos de que é possível realizar seus sonhos, ainda que pareçam muito distantes da realidade existem, e estão aí para nos motivar.

Reef Artificial na India...Palmas para ASR - Nova Zelândia.

India's First Multi-Purpose Reef Goes Off from ASR Limited on Vimeo.



Saúde e Paz
Petrus

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Billabong Pro Santa Catarina - Imagens da final

Billabong Pro Santa Catarina - Jadson no topo do mundo!

Jadson André venceu todo mundo, juízes, patrocinadores, mídia internacional, comentaristas, o nervosismo, a inexperiência, o preconceito, Michel Bourez, Dane Reynolds e Kelly Slater na final.
Nada mal para um garoto de dezenove anos.
Com esse resultado, Jadson já é o 4o do mundo, empatado com Mick Fanning.
Vamos deixar pra lá os comentários preconceituosos, sem noção, do Luke Egan durante as baterias dos brasileiros.
Esquecer que ele praticamente disse que o Jadson não conseguiria surfar bem para a direita (teve que engolir a segunda onda do brasileiro que entrou pra somatória, uma série de batidas verticais de backside do potiguar).
Vamos relevar a atuação dos juízes, que tentaram de todo modo segurar o brasileiro.
Depois dêem uma olhada na onda nota oito do Jadson e comparem com o sete e meio do Kelly, na bateria final.
Até o Luke Egan achou estranho.
Vamos ignorar o desafio do Kelly, na entrevista após a derrota, intimando o brasileiro a mostrar o mesmo surf em Teahupoo e Pipeline.
A hora agora é de celebrar!
Comemorar esse feito histórico!
Nem lembro quando foi a última vez que um estreante ganhou uma etapa no circuito mundial de surf.
Jadson venceu e convenceu.
Viva!!

Jadson André X Michel Bourez...

Simplesmente, sem palavras!!!

O cara é .......

Podem contribuir com todos os adjetivos que quiserem.

Estou muito feliz.

Saúde e paz
Petrus

Foi roubado mas...PERDEU.

Ainda me lembro bem, do primeiro campeonato do Mineirinho no WCT. Praia cheia de brasileiros em D-Bah, e o prodígio brasileiro chegando a final com aéreos impressionantes, e um surf "irresponsável" que o colocaram como uma verdadeira e grande promessa. A falta de compromisso com o "medo de cair", e o comprometimento com a vanguarda e inovação, levaram Adriano de Souza, pouco a pouco, a ser um dos protagonistas do tour.
Este ano, principalmente nas últimas duas etapas, confesso que não compreendo o que acontece. Vejo um Adriano burocrático, com um surf previsível, que não empolgou nem surpreendeu ninguém. Não adianta mais arriscar a última manobra, ouapenas inverter as rasgadas. Tem que colocar tudo a perder logo de cara, na primeira sessão. É TUDO ou NADA mesmo.
Assistindo as ondas da bateria e falando do nosso brasileiro, está virando mais NADA que TUDO. Infelizmente, tenho que mudar de idéia em relação a crítica que fiz em comentários anteriores, e concordar com alguns que sustentam a necessidade de o Adriano reinventar seu surf.
Não sei se a análise certa seria esta de reinvenção do surf, ou se ele anda precisando ver suas baterias do ano passado. Na minha opinião, ele vem surfando pior este ano que em 2009.
Enfim, muitos não vão concordar comigo, mas mesmo com uma nota superavaliada, Mineiro perdeu a bateria. Pelo menos pra mim, isso ficou muito claro ao ver que nas batidas do Dane Reinolds, suas quilhas voaram para fora da onda, e isso nas primeiras sessões da onda. Reforço que não sou fã do atleta estrangeiro, principalmente por sua postura como atleta, e não acho que ele tenha destruído as ondas como as notas apontam, mas venceu o confronto facilmente. Eu não quero ver um campeão com o surf que o Mineiro fez, trabalhando o suficiente para permanecer no tour até o final do ano. Não assisti a bateria ao vivo e, talvez por isso não tenha ficado tão indignado como Chocolate colocou no post anterior.
Na minha forma de interpretar o critério de julgamento, o Adriano foi roubado, mas perdeu de verdade e de fato para a burocracia, e não para o Dane.

Saúde e Paz
Petrus.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Billabong Pro Santa Catarina - Mineirinho foi garfado

Estava demorando.
A 3a bateria do 4o round, Adriano de Souza contra Dane Reynolds, foi mais uma daquelas em que os juízes se empolgaram com o frisson em torno do americano, esquecendo de avaliar com isenção e imparcialidade o que ele realmente produziu nas ondas.
Vejam como estou sendo civilizado.
A verdade mesmo é que o Mineirinho foi roubado.
Foi vergonhoso.
Deram uma nota 8,33 para uma direita do californiano que não tem desculpa, não tem explicação, não tem enrolação que justifique.
O rapaz pegou uma onda intermediária, acertou uma boa (tudo bem, ótima) manobra na primeira seção.
A segunda manobra foi uma rasgada normal.
Na junção ele tirou o pé e deu uma batida que, segundo nosso colaborador Guigo, que acabou de me ligar revoltado, qualquer um de nós consegue acertar num dia bom.
Assistam e vejam se estou enganado.
A onda valia, no máximo, um sete baixo.
Pra comparar, Jadson André só conseguiu notas 8,10 acertando aéreos impressionantes, combinados com rasgadas muito fortes, variando manobras, fazendo o diabo.
Quero deixar claro, e nesta concordo com o Guigo: o Dane Reynolds surfa mais que o Adriano.
Acho que nem o próprio Mineiro tem dúvida disso.
É um fato, o cara é melhor, mais radical, empolgante, moderno, tudo bem.
Só que não é isso que ganha uma bateria.
O cara precisa mostrar isso durante os 30 minutos.
Precisa realizar.
Não foi o que aconteceu.
Pra terminar, alguém devia mandar prender o Luke Egan.
Como é que deixam o cara comentar com tanta imparcialidade, sem noção mesmo, sem respeito, aqui no Brasil?
Ter que assistir ao nosso herói brazuca sendo garfado na cara dura e ainda ter que aguentar as explicações do Luke Egan é pra deixar qualquer um maluco.
Ô raiva.

Billabong Pro Santa Catarina - Favoritos perdem, Jadson arrebenta

Acaba agora a primeira metade do 4o round da terceira etapa do circuito mundial de surf.
Um show de Jadson André.
A melhor performance do dia.
Hoje, o jovem potiguar entrou definitivamente no radar da mídia internacional.
Impressionou a todos pela qualidade do surf, pela energia, pela forma como ele fez tudo parecer fácil.
Diferentes tipos de aéreos, rasgadas fortes, controladas, com estilo.
Enquanto seu adversário, Luke Munro, não conseguiu nada melhor do que um 6,33, Jadson pegou ondas incríveis, tirando quatro notas acima de oito.
Já garantiu um quinto lugar mas tem grandes chances de avançar para as semis.
Do jeito que está surfando, e considerando que boa parte dos favoritos já foi eliminada (Bede Durbridge, Bobby Martinez,Taj Burrow, Ace Buchan, Kai Otton, Freddy P, só para citar alguns), Jadson pode até vencer o evento.
Amanhã, na primeira bateria das quartas-de-final, Jadson enfrentará Michel Bourez, que hoje eliminou Joel Parkinson.
O garoto vai subir bastante no ranking, deve ficar entre os dez primeiros, e começará a enfrentar surfistas teoricamente mais fáceis nos próximos eventos.
Felizmente, sabemos que diferente de alguns grandes talentos brasileiros que já passaram pelo Tour, Heitor Alves sendo talvez o melhor contra-ponto, Jadson está sendo muito bem orientado.
Tem um futuro brilhante pela frente.
Agora, na água, Dane Reynolds contra Adriano de Souza.
Depois eu conto como foi.

Billabong Pro Santa Catarina - 3o round está na água

Hoje o dia começa com sol, um leve vento terral e ondas em torno de um metro em Imbituba.
Jadson André está na água agora, dando um verdadeiro show.
Venceu Damien Hobgood, deixando o americano precisando de duas ondas para virar, e vai enfrentar Luke Munro, que eliminou Bobby Martinez na primeira bateria do dia.
Adriano de Souza, daqui a pouco, contra Patrick Gudauskas.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Billabong Pro Santa Catarina - Imagens com mais qualidade

Enquanto os organizadores esperam a entrada de uma nova ondulação, assistam ao vídeo abaixo, retirado do InSurf News.
As imagens são ainda do primeiro dia de competição, mas a qualidade é melhor do que tudo o que está publicado no site oficial.

Insurfnews.com - Brazil Round One Highlights from Andrew Oliver on Vimeo.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Fun no Tahiti

Campeonato parado, vamos curtir imagens que o Stephan Figueiredo filmou com a GoPro.
Temos que agradecer ao cara, por se colocar nessas situações tão extremas e dividir estes momentos com a gente.
Agredeço ao Manga também, pela dica.
Valeu.

Billabong Pro Santa Catarina - Vídeos à vontade

Hoje, por falta de ondas, o campeonato em Imbituba, Santa Catarina, foi adiado.
Ontem rolou o 2o round, sem maiores surpresas.
A transmissão ao vivo começou muito ruim e só foi piorando até ser interrompida.
Nenhuma surpresa.
Praticamente todos os favoritos venceram suas baterias.
Conforme o esperado.
Jadson venceu, Adriano de Souza venceu, Marco Polo.
Até aí, segue o enterro.
O inesperado, porém, está no setor de vídeos, no site do campeonato.
Surpresa!
Os caras inovaram e colocaram um novo sistema, em que você monta o seu playlist com as ondas que escolher, da bateria que você quiser.
Genial.
Bola dentro total, parabéns para a Billabong pela iniciativa.
Não compensa o vacilo na transmissão, mas é uma boa notícia para os fissurados como nós.

sábado, 24 de abril de 2010

Billabong Pro Santa Catarina - Primeiro dia

Terminou o primeiro dia do campeonato em Imbituba, a terceira etapa do circuito mundial.
As ondas não estavam lá essas coisas mas, como o cerco está apertando e só faltam essa e mais duas etapas para que os treze surfistas piores classificados no ranking voltem para o WQS, emoção não faltou.
Dos quinze últimos colocados no ranking, quatro conseguiram vencer suas baterias e já escaparam da 33a colocação: Matt Wilkinson, CJ Hobgood, Tanner Gudauskas e Neco Padaratz.
Neco venceu e convenceu (valeu a minha torcida) na 3a bateria do dia.
Quanto aos derrotados, Jadson vai enfrentar Drew Courtney e Adriano de Souza vai enfrentar Blake Thornton no 2o round.
Nenhum dos dois deverá encontrar grande resistência e eu diria que já podemos contar com três brasileiros no terceiro round em Santa Catarina.
Após a derrota de hoje, Marco Polo tentará, provavelmente amanhã, vencer sua primeira bateria no WT, contra o havaiano Freddy P.
O havaiano tem surfado muito bem e o catarinense vai ter que se superar para deixar de ser motivo de piada no WT.
Os outros três competidores brasileiros vão tentar jogar água no chopp dos melhores surfistas do mundo.
Tânio Barreto enfrenta Taj Burrow, o jovem Ricardo dos Santos surfa contra Mick Fanning e Messias Félix pega Kelly Slater, que hoje perdeu novamente para o Tiago Pires.
O que vocês acham?
Alguma chance de zebra?
Pra mim, o único que tem chance de arrancar alguns scores é o Messias.
Mesmo assim, só vence se o Kelly se afundar e não pegar nada, coisa na qual não aposto um centavo.
Pra não fugir à regra tenho que terminar dizendo que, infelizmente, a transmissão não melhorou nada.
Travando o tempo todo, praticamente sem replay, qualidade péssima.
Vamos torcer para que amanhã a coisa melhore.
O Bocão repete a cobertura do evento para o site da Skol, principal patrocinador do evento.
Ainda não tem nada que interesse por lá.
Assim que aparecer alguma coisa, vocês saberão.
O site oficial do evento publicou o vídeo que colocamos abaixo como sendo os "pontos altos" do primeiro dia de surf na etapa brasileira do circuito mundial.
Ridículo.
O cara que fez a edição, provavelmente, ou não assistiu nada ou não entende de surf.
Cadê os dois aéreos que deram a vitória ao Dane Reynolds?
E o aéreo nota 10 do Joel Parkinson (nota 9,83, na verdade)?
Alguma cena das derrotas de Kelly Slater, Taj Burrow ou Mick Fanning?
Será que o Brasil vai passar vergonha mais uma vez?
E os patrocinadores?
Não aprenderam nada com as críticas dos últimos anos?
Eu entendo que errar é humano.
Mas insistir no erro é burrice.
Assistam e digam-me se estou errado.

Billabong Pro Santa Catarina - Bastidores

Enquanto o campeonato não começa, as triagens você já pode ver ao vivo aqui, segue o vídeo com um pouco dos bastidores na visão dos americanos e havaianos.
Andrew Oliver que, junto com o Freddy Pattachia, publica o blog InSurf News está no Brasil, o que é garantia de que teremos bons vídeos além dos vídeos oficiais do campeonato.
Neste primeiro, ondas pequenas e a aventura que é dirigir de Floripa até Imbituba.

Insurfnews.com - Getting There - Brazil from Andrew Oliver on Vimeo.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Vai começar o Billabong Pro Santa Catarina

Oba!
Adoro campeonato.
No Brasil, então, melhor ainda.
Eu sempre fico torcendo pra que entrem altas ondas, pra que seja um bom espetáculo, com alto nível de surf.
Pra acabar com a marra de alguns gringos.
Se vocês assistirem ao vídeo com entrevistas que foi publicado no Waves, entenderão do que estou falando.
Já começa com o Andy Irons dizendo que o mar está pequeno, fraco, mas que dava pra rolar o campeonato (subestimando as condições que provalvemente vai pegar amanhã).
Segue com o Joel Parkinson já mandando um "I'm here to win".
O Jordy Smith diz que tá uma porcaria e o Jeremy Flores completa com um "Tá igual sempre. A onda não muda, em todos os anos".
Eu gostei mesmo foi da sinceridade no comentário do Jeremy Flores, em bom português:
"Eu tô surfando muito mal esse ano mas tô tentando, né? É o meu trabalho então tenho que melhorar."
O Waves também publicou um vídeo com o Marco Polo falando sobre a dificuldade que está encontrando no tour.
E bota dificuldade nisso.
Na primeira bateria já enfrenta Andy Irons e Bobby Martinez, o primeiro, tri-campeão mundial e o segundo, atual 4o do ranking.
Seria muito bom o Marco realmente desencantar e acertar uma boa bateria, ganhar a primeira num evento em que ele já se deu bem e se juntar ao outro brasileiro no próximo round.
Que brasileiro?
Façam suas apostas.
Neco Padaratz, Jadson André e Adriano de Souza se enfrentam no começo do dia, na 3a bateria.
Vou torcer pro Neco, que é quem mais precisa.
Esse ano a Billabong assumiu o patrocínio e boa parte do planeta ficou satisfeita.
Tenho certeza que a transmissão ao vivo vai ser bem melhor do que no passado.
E não é puxar sardinha para estrangeiro não.
É que pior do que foi é impossível.
Acompanhem a cobertura completa aqui, no True Surfing.
A promessa é de show de surf o dia todo.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Torres deixa a gente feliz.

Todo o mundo diz que no Brasil não tem onda boa.
Estou falando do planeta terra em geral, todo o mundo.
É claro que não é verdade, muitos de vocês leitores já sabem.
O Brasil tem surf da melhor qualidade.
É fato que existem ondas melhores em vários lugares do mundo, qualquer um pode clicar no TAG viagem aqui ao lado e relembrar alguns destes.
Existem lugares com ondas maiores, mais longas, mais perfeitas.
Existem lugares com ondas mais constantes, água quente, cristalina.
Mesmo assim, um dia bom de surf por aqui é o suficiente pra marcar a vida do sujeito pra sempre.
Assistam ao vídeo abaixo, que encontrei no SurfOnline.
É motivo pra qualquer um ficar orgulhoso e feliz.
Nunca surfei no Rio Grande do Sul, então só sei de ouvir falar.
Sei que o Rio Grande do Sul não é famoso por ter ondas boas.
Dizem que melhor delas é Torres, e que mesmo essa não é lá essas coisas.
Quero acreditar que existe um fundo de verdade, que os gaúchos têm as piores ondas do Brasil.
Só pra confirmar o tanto de onda boa que temos por aqui.
Se esse é o pior pico, imagine os melhores.


Do outro lado do rio... from Cristiano Bins on Vimeo.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Big surf no Chile

Atendendo a pedidos, seguimos tentando, na medida do possível, equilibrar o conteúdo do blog mesclando free surf e surf competição, surf masculino e feminino, big surf, viagens, novidades, curiosidades, etc.
Essse vídeo abaixo vem nessa linha.
É surf em ondas grandes, uma sugestão de viagem, é competição, um pouco de tudo.
Espero que gostem.


Trials Quiksilver Ceremonial Punta de Lobos 2010 from Rodrigo Farias on Vimeo.

sábado, 17 de abril de 2010

Silvana Lima nem foi, e já deixa saudades...

Pois é... Esse é mais um daqueles posts que clama pela ressurreição do surf feminino brasileiro. Sim, ressurreição!
Com a atual safra de novos talentos andando no tour feminino, vamos ficar muito, mas muito tempo a ver navios no WWT, o circuito mundial das mulheres.
Nossas representantes, Silvana Lima e Bruna Shmidt, vêm fazendo seu melhor. Porém, a qualidade da renovação australiana e havaiana começa a aparecer no tour, e um novo ritmo foi imposto às mulheres que almejam um lugar ao sol, no mundo do surf profissional.
Sobre a Bruna, conforme já nos manifestamos anteriormente, podemos aproveitar para torcer este ano, porque ano que vem só um milagre mantem a brasileira entre a elite. Parabéns por seus resultados até hoje, mas ela não tem surf para permanecer por lá. Já nossa Silvana, parece pertencer àquela classe de atletas excepcionais, que por sorte do destino são colocado em segundo plano, simplesmente por terem nascido em meio a gerações de super talentos. Nos caso específico da brasileira, nem ela poderia imaginar que quando atingisse seu auge, surgiria a atual tri-campeã mundial Stephane Gilmore. Hoje, após dois vice-campeonatos e nosso famoso quaaaase lá, surge com força, a nova sensação anunciada há anos: Carissa Moore.
Na minha opinião, esta havaiana de 18 anos chegou para abalar todos os conceitos do surfe feminino, em todos os níveis.
Deixou de ser promessa, e hoje é uma realidade. Para mim, além de realidade, ela passou a ser "A" referência, inclusive para a brasileira.

Vejam o porque de minha palavras, durante as finais na Nova Zelândia(Não se esqueçam que a garota venceu em Sunset no final do ano passado).

Searching for Marco Polo

Esse post não é pra vocês ficarem nervosos.
Na verdade é só pra aumentar a torcida por um bom resultado do Marco Polo na próxima etapa do WT, o Santa Catarina Pro, agora Billabong Santa Catarina Pro.
Na última hora a Billabong, que havia perdido o evento em Mundaka, decidiu patrocinar o envento no Brasil, após a desistência da Hang Loose.
Se alguém encontrar alguma notícia explicando a saída da Hang Loose da etapa, por favor, envie para nós.
Eu até agora não encontrei nada.
A esperança de todos, no Brasil e no mundo, é que com a chegada da Billabong a transmissão seja melhor do que nos anos anteriores.
Como a RBS, afiliada Rede Globo, está no meio, não dá pra garantir nada.
Mas voltando ao assunto principal, Marco Polo, nosso pequeno guerreiro ainda não ganhou nenhuma bateria no WT.
Até surfou bem na última etapa, como bem disse o Petrus.
A chance é agora, em casa.
Estaremos torcendo para que ele consiga um bom resultado por aqui.
Principalmente agora que descobrimos que ele já está virando motivo de piada no Tour.
Vejam esse vídeo do Paul Fisher que coloco abaixo.
É para ser um vídeo de palhaçada, com perguntas engraçadas para alguns dos surfistas do WT.
Uma das perguntas, de sacanagem mesmo, é "Algum de vocês viu o Marco Polo por aí?"
Todo mundo concorda que ele é um cara muito bacana, um dos caras mais gente fina do circuito, etc... só que a gozação é geral.
Não adianta se revoltar.
O negócio é responder no surf.
Se ainda assim vocês ficarem nervosos, assistam ao segundo vídeo, que eu também peguei no site do Paul Fisher.
Não tem nada a ver com o assunto, é só pra mostrar que não devemos levar a vida tão a sério.


Bells Beach Rip Curl Pro from Paul Fisher on Vimeo.



Mais uma da série ondas que amamos

Esse vídeo, direto do Surfline, traz mais uma onda daquelas de sonho.
Honolua Bay, em Maui, Hawaii.
O vídeo, com cerca de seis minutos, chega a ser enjoativo de tanta onda boa.
Difícil de ser aproveitada, com tanto havaiano casca-grossa, tanto longboard, tanta gente, pode ser considerada uma das melhores ondas do mundo.
O que me anima é a quantidade de coroa pegando altas, entubando, saindo, festa total.
Tenho certeza que minha vez ainda vai chegar.
Aproveitem.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Fiji - Tavarua

Temos recebido muitos pedidos por mais free-surf no True Surfing.
A avaliação é que estamos muito concentrados nos campeonatos.
Vamos nos esforçar para atendê-los.
E começo com mais um vídeo da Nivana, que teve essa boa sacada de criar um canal no Vimeo para divulgar os destinos que vende.
Como a idéia é vender para o surfista normal, o vídeo passa bem o clima de uma barca em que qualquer um de nós poderia estar.
As ondas parecem amigas, surf sossegado.
Dêem uma olhada.

FIJI - TAVARUA 2009 from NTv on Vimeo.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Rip Curl Pro Bells Beach - Saldo geral

Este post deu um problemão, travou o blog, ficamos quase que o dia inteiro com o blog fora do ar.
Ainda não corrigimos todos os bugs, mas republico aqui o texto para que vocês possam comentar.

Com relação à tramissão, nós, que aqui pegamos no pé dos eventos brasileiros que pecam na transmissão ao vivo, temos que ser ainda mais duros com os gringos, que tem muito mais recursos.
Pra mim, a Rip Curl queimou o filme.
Papelão geral.
Vocês conseguiram assistir?
Nós não.
Quanto ao campeonato, ao invés de complementar os comentários do post anterior, vou direto para os destaques.

1. Kelly Slater vai com tudo para o décimo.

Não tenham dúvidas de que o careca está disposto a resolver a fatura de uma vez por todas.
10o título em 2010.
Arrisco dizer que a Quiksilver já está montando a campanha publicitária com esse tema.

2. A disputa vai embolar como há muito tempo não se via.

O fato é que, diferente dos anos anteriores, no topo do ranking todo mundo evoluiu muito e não há ninguém se sobressaindo.
Além dos suspeitos de sempre (Mick, Joel, Taj, Kelly e Bede), eu destaco a evolução do Jordy Smith e do Bobby Martinez e os coloco também na briga pelo título.
Tá todo mundo voando, aéreo pra todo lado, surfando com pressão, força e modernidade.
A briga vai ser muito boa.

3. Na zona intermediária, em primeiro lugar o Adriano de Souza.

Na minha opinião, nada de título para o brasileiro.
Eu diria que o surf que ele apresentou o coloca entre os top 16, vai ter que brigar muito pra ficar entre os top 10.
É claro que uma vitória no Brasil pode mudar essa situação.
Acredito que as vitórias serão espalhadas, teremos vários vencedores diferentes nas dez etapas do tour.
Todos podem ter até dois tropeços no ano, já que descartarão os dois piores resultados.
O que vai fazer a diferença no final do ano, e decidir o título em última instância, será o número de vitórias e finais.

4. A vez dos goofies.
Ainda na zona intermediária, é a vez dos goofies, os surfistas que surfam com o pé direito na frente da prancha.
Kai Otton e Freddie Patacchia são os surfistas que mais evoluíram do ano passado para cá.
O primeiro teve um tropeço na segunda etapa, mas já mostrou que seu surf está num nível acima do resto do pelotão intermediário.
Pra completar, Jadson André e Adrian Buchan.
Adrian Buchan já vem mostrando um surf de ponta desde o ano passado, ano em que chegou a vencer uma final contra o Slater.
Pra mim, esse jovem australiano tem surf de campeão e acredito que ele ainda vai brigar pelo título, não nesse ano mas num futuro próximo.
Para nossa alegria, o brasileiro Jadson André mostrou a que veio.
Já é o melhor estreante até agora e tenho certeza que será assim até o final de 2010, até porque muitos dos novos talentos terão que voltar para o WQS no meio do ano.
Jadson não teve sorte na sua bateria contra o Bobby Martinez, as ondas não vieram e o americano descolou uma nota 8,17 já de saída, complicando a vida do brazuca.
Mesmo assim, creio que se ele tivesse se deslocado para o pico das esquerdas antes, ele só foi no finalzinho da bateria, o resultado seria diferente.
Esses quatro estarão entre os top 16 e vão beliscar lugares no top 10.

5. A força dos desacreditados.
Outros que se destacaram nestes dois primeiros eventos: Luke Stedman, Tiago Pires e Michel Bourez.
O primeiro realmente, surpreendentemente, renovou seu surf.
Está com mais velocidade, arriscando mais, me impressionou pela mudança, embora o estilo continue deixando a desejar.
O segundo, o Sacca, não mudou nada no seu surf, continua mostrando a qualidade de sempre.
A pena é que os juízes também não mudaram nada, continuam jogando as notas do Tiago Pires lá embaixo.
Mesmo assim, o surfista português vai fazer o WT até o fim do ano e pode bem terminar entre os top 16.
O terceiro vai dar trabalho.
Michel Bourez é jovem, tem um surf moderno e com muita força.
Vai deixar os novos talentos, queridinhos da mídia, no chinelo, podem escrever.

5. E os estreantes?
Tanner Gudauskas.
Entre o resto dos estreantes, esse é o cara.
Pode ser que não consiga passar pela peneira do meio do ano, mas o surf que ele mostrou até agora o credencia como um dos mais consistentes da nova geração.
Tem o pacote completo (aéreos, rabetadas, etc) mas não é de circo, é surf, power surf de verdade.

6. Dane Reynolds?
Esse aí precisa de ajuda.
Tem surf de sobra, indiscutível.
Mas não é um atleta profissional.
Mal pode ser considerado um atleta.
Quem viu a entrevista depois da derrota humilhante do californiano diante do Jordy Smith sabe do que eu estou falando.
Vai continuar sendo estrela de filmes, ter as fotos em tudo quanto é revista, será o ídolo da molecada, mas se quiser ganhar alguma coisa no surf profissional vai ter que mudar de atitude.
Surf não é só esporte, é poesia, arte, sonho, imaginação, criatividade, alegria.
OK.
Só que quando falamos do esporte surf, do surf competição, já faz tempo que o buraco é mais embaixo.
Ou o cara leva a sério ou vai fazer outra coisa.
É isso.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Revista Surfer de Maio destaca: TOW-INS R.I.P.

Fresquinha nas bancas, chegou ao Brasil a edição de Maio da revista SURFER.
Me chamou a atenção, uma matéria muito boa sobre o campeonato de ondas grandes em Mavericks. Já na capa, os americanos destacam Tow-ins R.I.P. ou, descanse em paz.
Isso é claro, após as performances na remada, em condições gigantes que quebraram neste campeonato.
Não estou aqui para falar de resultados, nem de notas... Mas sim, para festejar o conteúdo abordado. Afinal, sou um defensor ferrenho do verdadeiro surf. Deixo bem claro, que respeito o Tow-in quando praticado em condições extremas, como na edição do ano passado do Red Nose em Maresias, quando pude presenciar condições sensacionais no primeiro dia de competição.
Como passamos por uma semana de altas ondas, mais uma vez tive que dividir o line-up com estes motores fedorentos e barulhentos, em condições totalmente favoráveis a remada, mais precisamente durante o sábado e domingo, no pico conhecido com Rock Point em Ubatuba. E pior! Após uma ou outra onda, o piloto insistia em percorrer a orla pelo inside, atravessando uma zona onde vários surfistas DE VERDADE, se sacrificavam em busca do pote de ouro que os aguardava atrás daquela espumeira braba! Tem tanta lage por aí!!
Voltando a matéria da revista, uma foto em especial me chamou muito a atenção. Trata-se da onda surfada pelo Big Rider Zach Wormohoudt que a legenda coloca como virtual vencedor do XXL Monster Paddle deste ano.
Destaque também para o brasileiro Carlos Burle, carinhosamente chamado de Hellman pelos editores da publicação. Seguem abaixo fotos da onda comentada acima, e do caldo cavernoso do brasileiro naquela que seria a onda do título caso ele a tivesse completado.


Carlos HELLMAN Burle.


Zach...Se a Surfer diz que ele "coloca o chapéu do XXL" com esta onda, por que ela não aparece na listagem dos finalistas divulgada pelo Waves?

Outra razão para o investimento nesta publicação, é a edição extra com o resultado da votação das maiores promessas para os anos que estão chegando. mas esse, já é assunto pra outro post, que virá logo mais.


Saúde e Paz

Rip Curl Pro Bells Beach, nós não vimos ao vivo...

Problemas de conexão, e nós não vimos ao vivo as baterias finais do último dia do Rip Curl Pro em Bells Beach.

Pois é, o CARECA levou mais essa. Recebeu um 8,93 em uma onda mixuruca, praticamente com uma manobra só. Pra quem acha que não mereceu, congelamos a manobra no auge de sua execução. Sinceramente, olhando essa foto e esquecendo se tratar de Kelly Slater, quem apostaria num final feliz?



Bom, pra quem mesmo vendo a foto não se convenceu, segue abaixo vídeo na íntegra da "onda do campeonato" que valeu mais um sino nas prateleiras do MITO...



Ele é ou não é um ET?

Saúde e Paz
Petrus

The Search - Puerto Rico...

Como a Rip Curl anunciou onde será a etapa The Search deste ano, resolvemos selecionar algumas imagens de internautas em Puerto Rico.
Imagens de profissionais surfando, nem sempre refletem a realidade de como são as ondas. Por isso, as imagens são mais pelas ondas do que pelo surf apresentado.
O vídeo é um pouco longo, mas acho que vale uma conferida. Principalmente a partir dos 2:15 minutos.
Se rolar um bom swell, o show está garantido!
Inté!

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Rip Curl Pro Bells Beach - Comentários

Ontem as ondas estavam pequenas na região de Bells Beach e o Rip Curl Pro, 2a etapa do circuito mundial, foi adiado.
Bom momento pra assistir novamente aos vídeos das baterias, analisar os resultados, comentar e fazer algumas previsões.
Começando pelos finalmentes:
Duas baterias das quartas-de-final já estão decididas, Adriano de Souza X Taj Burrow e Jordy Smith X Mick Fanning.
Cá entre nós, o cara pode até não gostar de competição de surf mas qualquer mané percebe o potencial que baterias como essas apresentam.
Se tiver onda, show de surf garantido.
Adriano de Souza tem surfado muito bem no Rip Curl Pro, consistente, rápido e eficiente, mas suas melhores notas tem ficado na casa dos oito pontos e sua melhor somatória, alcançada no 3o round, foi 16,67.
Concordo com o Ian Cairns que comentou, no início do ano, que as manobras do Mineiro tendem a terminar com a prancha na horizontal.
O ataque ao lip é vertical mas, quando a manobra termina, a prancha está "flat".

Pra piorar, suas manobras que terminam com a prancha invertida e deslizando não estão sendo bem pontuadas.
Coloco os vídeos com as baterias do 3o e 4o round para vocês comentarem.





Já o australiano, atual líder do circuito, já fez duas somatórias acima dos 17 pontos e, como o Petrus já comentou e vocês poderão comprovar, seu trabalho está sendo facilitado pelos juízes.
Reparem na nota 9,00 que ele conseguiu na bateria do round 4 contra o Andy Irons ou na nota 9,37 na bateria do 3o round.
Para vencer, Mineiro terá que pegar as melhores ondas e fazer algo realmente exepcional.

Quanto à segunda bateria das quartas, eu não me arrisco a fazer previsões.
Para mim, são os dois mais fortes candidatos ao título mundial, Mick Fanning e Jordy Smith.
O que o atual campeão mundial, Fanning, apresentou na bateria contra o Gabriel Medina não é pra qualquer um.
Juntou estilo, manobras modernas, risco, precisão, conhecimento da onda, não faltou nada.
Assitam e digam-me se estou errado.



O sul-africano não deixa por menos.
Vem embalado com o segundo lugar na primeira etapa e ontem conseguiu uma nota 9,80 numa ondinha mixuruca (a onda, não a performance) o que, já sabemos, é o segredo pra se dar bem no WT.
Tirar notas altas nas melhores ondas é bem mais fácil, praticamente todos os 45 competidores são capazes disso.
O difícil é conseguir um score destes numa onda mediana.
Vejam o vídeo da bateria (contra o Roy Powers no 4o round) e comprovem: o cara está fazendo tudo certinho.
Este post está ficando muito comprido e ainda tem muita coisa pra falar, vou terminar com uma rápida análise da performance do Jadson André e deixo para os próximos posts os comentários sobre a perfomance dos iniciantes, Owen Right e Dusty Payne (não percam, no Surfline, a sequência de fotos da manobra que rendeu 9,17 ao Dusty na bateria contra o Kelly Slater), sobre o surf impressionante que o jovem Tanner Gudauskas está mostrando, sobre a vitória do Parko sobre o Neco Padaratz e sobre os outros favoritos, Bede Durbridge e Kelly Slater.
Vamos ao Jadson.
No vídeo abaixo vocês podem assistir à vitória do potiguar contra o Taylor Knox.



Ninguém discute que o rapaz está surfando muito, que as batidas são mais do que verticais, que ele está jogando muita água pra cima, surfando com estilo e inteligência.
Só que ele precisa parar de dar essa "matada de barata" antes das batidas de backside.
Eu já tinha reparado nisso na Gold Coast e em Bells, até os narradores da transmissão comentaram.
A cavada também é uma manobra e contra o Bobby Martinez, um dos reis do estilo, isso pode fazer a diferença.
Segue o vídeo.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Mega swell de sul ops!! SUDESTEEEE, será??

Em meio a tanta Austrália e WT, vamos dar um tempo e falar um pouco de Brasil. Os gráficos de ondulação apontam para mais um super swell de sudeste (padrão Brasil) na costa do litoral brasileiro. Como não podíamos deixar passar em branco, segue abaixo um videozinho de Maresias em sua melhor forma. É um pouco antigo, e as imagens não têm execelente qualidade, mas dá pra instigar um pouquinho!!
video

Mineiro vence Patacchia e avança para as quartas

Mineiro surfou muito bem, mais uma vez e vai enfrentar o vencedor da bateria entre Andy Irons e Taj Burrow.
Detalhes, amanhã.

Vitória de Jadson!! Mas as notas do Taylor Knox...

Jadson passa mais uma. E passa fácil pelo americano Taylor Knox.
Mesmo assim, não posso deixar de chamar atenção às notas dadas ao americano. Já faz um bom tempo que este dinossauro do circuito vem se mantendo as custas da boa vontade dos juízes do tour, que super valorizam o estilo e fluidez de um dos vovôs do WT. As duas notas dele foram aumentadas hoje, mas o segundo 7 foi ridículo!! Uma passadinha, uma rasgada/cut back muito boa e um famoso Lady Laura na espuma... 7 e pouco!?!? Que qué Wilson??
Qual é o objetivo? Deixar uma bateria que foi decidida em 5 minutos mais emocionante, ou dar um fio de esperança a um atleta da própria Rip Curl??

Pra mim, pura irresponsabilidade do quadro de juízes. Adorei ver o brasileiro dando autógrafos na areia, faltando pouco mais de um minuto pro término de seu heat.

Estamos de olhos abertos juizada!!

Rip Curl Pro Bells Beach - Jadson humilhou

Jadson André acabou de despachar Taylor Knox, de forma arrasadora.
Humilhou.
Conseguiu a quarta melhor somatória da terceira fase até agora, atrás do Mineiro, Taj Burrow e Mick Fanning.
Ganharia do surfista americano com duas das ondas que nem entraram na somatória.
Pra completar, faltando quase um minuto pra terminar a bateria o brasileiro, de apenas dezenove anos, já estava na areia dando autógrafos.
Taylor Knox vai levar um tempo pra entender o que foi exatamente que o atropelou.
A cereja no bolo foi a entrevista.
Educado, inglês bem falado, respostas inteligentes.
Show completo.
Vai enfrentar Bobby Martinez na próxima fase.
Pelos meus cálculos, mesmo que não vença a próxima bateria, Jadson já garantiu no mínimo o 18o lugar no ranking.
Se for bem no Brasil, se garante no WCT até o fim do ano.
Vai ser o Rookie of the Year, o estreante que vai terminar o ano com a melhor colocação no ranking, com certeza.
Logo mais, Mineiro enfrenta o Patacchia.
Cobertura completa, amanhã aqui no True Surfing.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Rip Curl Pro Bells Beach - Nada como uma boa polêmica

Antes de fazer um resumo do terceiro round, que já teve a vitória incontestável do Adriano de Souza, Mick Fanning somando dezessete pontos para derrotar Gabriel Medina e o Neco, mais uma vez, vendo suas ondas mal pontuadas, chamo atenção pra um acontecimento interessante que aconteceu no primeiro round.
Não vou fazer juízo de valores, deixo os comentários pra vocês.
O fato é que o Freddy Patacchia, ao vencer sua bateria contra o Owen Right, aproveitou a entrevista pra descer a lenha nos locutores do evento.
Reclamou que os caras só falavam do Owen Right, que parecia que os dois (Freddy P. e Drew Courtney) já tinham entrado na água derrotados.
Segundo ele, os locutores estavam com os testículos do Owen Right tão enfiados na boca que só falaram merda. (tradução livre feita por mim).
Bem, assistam vocês mesmos à entrevista, que custou ao surfista havaiano uma multa de mil dólares, e ao comentário que ele fez sobre a situação toda no seu blog InSurf News.



Insurfnews.com - Insider's Perspective Rip Curl Pro Rd1 from Andrew Oliver on Vimeo.

Terminou o segundo round na Austrália. E hoje tem mais.

Terminado o segundo round, saldo positivo para os brasileiros.
Todos fizeram boas apresentações e só o Marco Polo perdeu sua bateria, de forma honrosa, como bem disse o Petrus no post abaixo.
A maior chance de um bom resultado para o jovem catarinense será, sem dúvida, na próxima etapa, em casa, no Santa Catarina Pro.
Marco Polo terá que ir muito bem na etapa brasileira e ganhar algumas baterias em Jeffreys para tentar se garantir no WCT sem depender do resultado em Teahupoo, onde acredito que ele vai ter mais dificuldade.
Vamos torcer.
E hoje tem mais.
E muito mais.
Eu diria, imperdível.
O dia já começa com brasileiro na água.
O já veterano de circuito Adriano de Souza, top mundial aos 23 anos de idade, enfrenta o iniciante americano Brett Simpson, de 25 anos.
Fiz questão de destacar a idade pra vocês terem uma idéia de como o Mineirinho é fenomenal.
Com tão pouca idade, o moleque já é um dos favoritos em qualquer situação, mar ou tamanho, enquanto o californiano ainda é considerado uma jovem promessa, apesar de dois anos mais velho que o brasileiro.
Mesmo assim, o americano, além de queridinho da mídia, vem de um 33o lugar na primeira etapa, tem um surf moderno, abusa dos aéreos e tem bastante estilo.
Ontem conseguiu uma nota 7,83 com uma manobra só.
Parada dura para o brazuca.
Gabriel Medina vai enfrentar mais um campeão mundial, Mick Fanning, e terá uma dificuldade adicional com a mudança do local do campeonato para Winkipop, uma direita rápida, difícil de ler, que deve favorecer o australiano.
Jadson André vai tentar superar uma pedreira, Taylor Knox, um especialista nesse tipo de condição e atleta Rip Curl, que patrocina o evento.
Neco pega Joel Parkinson, tomara que consiga escolher bem as ondas e acerte suas já famosas patadas.
De resto, destaque para as baterias entre Kelly Slater e Dusty Paine, Bede Durbridge e Tanner Gudauskas e Jordy Smith e Owen Right e Andy Irons e Kai Otton.
Os vídeos com melhores momentos e todas as baterias de ontem vocês assistem aqui.
Ao vivo, Adriano já está detonando ao vivo aqui.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O resultado era esperado... Jordy vence Marco Pólo.

Por incrível que pareça, eu torci muito desta vez. Durante a bateria, acreditei que poderia ver o brasileiro vencer. Mesmo sabendo que seria uma tremenda zebra, acreditei até o último segundo. E quer saber? Gostei do que vi. Sinceramente, desde a primeira bateria do Quiksilver, e agora no Rip Curl, fiquei com a impressão que o MP está sempre 100% dentro das baterias. Pressiona o adversário, tenta impor seu ritmo... Resumindo, ele entrega seu máximo em cada heat.
Infelizmente, não da pra querer mais que isso! WT não é Super Surf ou Brasil Tour como queiram... O nível dos primeiros 10 atletas do ranking World Tour é muito alto.
Pessoalmente, gostaria de dar os parabéns ao Marco Polo por sua postura competitiva.
Começo a acreditar em pelo menos um bom resultado deste atleta neste ano. Quem sabe um quinto lugar?

Medina, show de bola! Foram transferir o campeonato pra esta praia, com este tamanho de onda e formação pra aéreo...Hummmm??? Não sei não... Ta ficando cada vez mais com a cara do nosso prodígio!! Que os vovôs se cuidem!! hahaha!

Adriano de Souza... Desculpa ser direto mas, ta surfando muito!! Rápido, forte e imprevisível... Corre riscos quando manobra e está sendo recompensado por isso.

Neco..Não vi a bateria de hoje, mas parece que precisa de um warm-up pra acordar seu surf. Tomara que vá adiante!!

Aguardo o Jadson (esse foi minha aposta pra 2010). Também adora um marzinho como o que está quebrando hoje! Tem que soltar o pé, como fez em vários WQS do ano passado. Se encaixar seus monsters aéreos de front side... Vai ficar pequeno pra muita gente.

Uma pergunta: Os brasileiros se cruzam logo neste chaveamento?

Até mais!

Mais um brasileiro avança

Agora foi o Neco Padaratz que despachou o Damien Hobgood.
Importantíssimo para sua posição no ranking.
Vai enfrentar Bobby Martinez na próxima fase, surfista californiano que fez uma das melhores médias do 2o round, conseguindo somar 15 pontos nas suas duas melhores ondas.
Marco Polo entra na água daqui a pouco, e pega uma pedreira.
Vai ter que passar por um dos fortes candidatos ao título mundial de 2010, Jordy Smith.
Vou ficar muito feliz se ele conseguir essa façanha.
Jadson André enfrentará Luke Munro às 02:30h no Brasil.
Os dois brasileiros precisam do resultado, já que não tiveram bons resultados na primeira etapa do circuito.
Vamos torcer.

WCT Bells Beach - ao vivo

Começou o segundo round do campeonato em Bells Beach, Australia.
As ondas estão muito ruins.
Na água, Gabiel Medina, o jovem fenômeno brasileiro, contra o campeão mundial CJ Hobgood.
Pra começar, Medina deu um aéreo 360, completou, ganhou uma nota três e meio.
CJ pegou uma direita, deu três batidas regulares, conseguiu uma nota cinco.
Será que os caras vão empurrar o CJ?
Vocês podem torcer e assistir ao vivo aqui.

Atualização das 21:00
Os juízes bem que tentaram, mas Medina consegue uma das maiores vitórias da sua carreira e avança para o terceiro round de um evento do WCT.
Show!